A mentira é mais valorizada que a verdade. Mas até nas corridas?

11/01/2016 12:12

Amigos corredores, seguidores e leitores.
 
Optei por extender aqui, neste blog, um tópico iniciado na minha página pessoal do Facebook simplesmente para fazer um comparativo depois da repercussão que o falso 22º colocado da São Silvestre ganhou, inclusive dando entrevista para um dos programas noturnos de maior audiência da TV brasileira.
 
Você, da região de Ribeirão Preto (SP), sabia que a atleta de Guariba Tatiana Rodrigues Fernandes foi a 37ª colocada legítima da prova do dia 31 de dezembro, em São Paulo (foto)? Se leu o VaiCorrendo.com, sabia!
 
Você sabia que a corredora Mariana Marciano dos Reis, de Franca, chegou em 66º lugar? E que o fundista profissional de Catanduva, Altobeli Santos da Silva, foi o 19º colocado?
 
Sabia que o mineiro radicado em Ribeirão Preto, Gladson Barbosa, especialista nos 3.000 metros com obstáculos, completou a 91ª São Silvestre em 31º lugar? Que o também profissional Carlos dos Santos, de Bebedouro, foi o 65º?
 
E mais! Você sabia que o mototaxista de Sertãozinho, Fabiano de Souza Campos, o Mineirinho, cravou 54min58s e foi o 87º colocado, no Top-100 da "SS"?
 
Foto: DivulgaçãoCertamente você não sabia. Sabe o porquê disso? Porque nós damos mais valor ao que é errado, à farsa, e à mentira. Isso tudo tem mais peso, mais audiência e mais "méritos". Quem age dentro do que é correto, na legalidade, como todos esses corredores que citei acima, fica no anonimato. Já quem fez tudo errado e "bagunçou o coreto", foi parar em TV aberta.
 
Embora eu ache uma tremenda besteira e busca pela fama sair por aí cortando caminhos em uma prova tão imensa, como a São Silvestre, não vou condenar o tal atleta. Eu no papel de amador não vejo vantagem nenhuma e não me sentiria bem ao fazer o que ele fez; estaria correndo contra a minha própria capacidade de, simplesmente, curtir o meu nada espetacular tempo - fiz os 15 km em 1h27min31s. Mas se ele se divertiu desta maneira, deu risadas e achou tudo muito engraçado, muito bem.
 
No entanto, como jornalista profissional, prefiro valorizar as legítimas posições da Tatiana, da Mariana, do Gladson, do Altobeli, do Carlos, do Mineirinho, e de tantos outros. Para vocês, sim! Uma salva de palmas. Diante de tudo - e da minha profissão -, me senti na obrigação de levantar da cadeira, enquanto encerrava este texto, e fazer reverências a todos vocês. Os verdadeiros.
 
Um abraço.