Provas de 5km, 10km, 21km, 42km e Ultramaratonas pré dispõem a lesões diferentes?

02/09/2014 11:27
Prof. Aroldo Costa Neto*
 
Lesões de diferentes estruturas principalmente em membros inferiores têm aumentado mais a cada dia em participantes de corrida de rua. Este fato se deve principalmente ao crescimento do número de participantes nesta atividade física e estes sem orientação profissional (MACHADO, 2011). Será que indivíduos que participam de provas com quilometragem diferente estão pré-dispostos a sofrerem lesões em diferentes estruturas corporais?
 
Pensando nesta hipótese, Souza et al. (2014) realizaram um recente estudo de revisão bibliográfica para identificar possíveis particularidades que associem o volume total dos treinos e provas (quilômetros) e o índice e local das lesões mais frequentes. Dentre as principais lesões encontradas em provas curtas (5 e 10 Km), as tendinopatias nos joelhos e tendão calcâneo (da panturrilha), lesão muscular em isquiotibiais (músculos posteriores da coxa), quadríceps (coxa) gastrocnêmios (panturrilha), fascite plantar (inflamação na planta do pé), periostite tibial (popular canelite), lesão no menisco e dor lombar foram as de maior incidência.
 
Na ultramaratona (provas acima de 42 Km) as principais lesões encontradas foram síndrome femoropatelar (dor atrás da patela), tendinite do calcâneo (tendão inferior da panturrilha), tendinite do tendão patelar, periostite tibial, tendinite do tibial anterior (músculo anterior da perna que exerce função oposta à panturrilha), síndrome da banda iliotibial (dor na região lateral do joelho e da coxa) e as lesões musculares em quadríceps.
 
Nos maratonistas, periostite tibial, entorse de tornozelo, tendinite do calcâneo, ruptura de fibra muscular, fascite plantar e síndrome femoropatelar.
 
E por fim, o último grupo, os corredores de 20-21 Km: fascite plantar, tendinite patelar, lesão de isquiotibiais, síndrome da banda iliotibial, tendinite do calcâneo, entorse de tornozelo, periostite tibial, síndrome femoropatelar, fratura por estresse e lesão meniscal.
 
A conclusão do estudo foi que a região do joelho é a mais afetada quando comparada ao pé, tornozelo, região lombar e quadril, porém, sem uma lesão com maior prevalência dentre as distâncias analisadas. Apesar de algumas lesões serem mais frequentes do que outras, todas as distâncias apresentaram lesões em todos os segmentos. 
 
Sendo assim, não é possível afirmar que a distância é a principal causadora de lesões em praticantes de corrida. Parece que as patologias adquiridas com a prática desta modalidade estão mais relacionadas com o excesso de treinamento, início e incrementos de distância e velocidade repentinos na corrida e falta de força e condicionamento dos músculos envolvidos no ato de correr.
 
A melhor maneira de prevenir lesões é conversar com o seu Educador Físico. Só ele compreende sobre a periodização do treinamento da corrida, dos exercícios de fortalecimento e alongamento, da quantidade de treinos na semana e do quanto de descanso você necessita.
 
Obrigado pela leitura! Excelente semana!
Forte abraço!
 
(MACHADO, A. F. Corrida: Bases científicas do treinamento. 1ª Edição, Editora Ícone: São Paulo, 2011.
SOUZA, C. A. B; SANTOS, C; AQUINO, F. A. O; BARBOSA, M. L. C; ALVAREZ, R. B. P; TURIENZO, T. T; AZEVEDO, M. V. G. T. Principais lesões em corredores em diferentes tipos de provas. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício – Volume 13, Número 2 – Março/abril 2014.)
 
*Colunista do VaiCorrendo.com, Aroldo Costa Neto é fisioterapeuta e educador físico
na academia Studio F3 Corpo Inteligente, em Ribeirão Preto
CREFITO-3: 32.583 - F / CREF: 042.260 - G/SP