Conheça mais sobre os benefícios do Chá Verde

07/09/2016 20:53

Nutricionista Renato Barbim*

 
O chá verde é feito a partir da infusão da planta Camellia sinensis. É muito consumido no oriente em países como China e Japão, porém, nos últimos anos, o consumo no ocidente é crescente, tanto na forma de chá como em cápsulas.
 
Estudos indicam que o chá é rico em componentes polifenólicos: flavanóis, flavandióis, flavonóides e ácidos fenólicos, que totalizam cerca de 30% do peso seco das folhas. A maioria dos polifenóis do chá verde se apresenta como flavanóis, e dentre estes, predominam as catequinas. As quatro principais catequinas do chá verde são: epicatequina, 3-galato de epicatequina (GEC), epigalocatequina (EGC) e 3-galato de epigalocatequina (GEGC). Uma típica bebida de chá verde, preparada em uma proporção de 1 grama de folhas para 100mL de água por 3 minutos de fervura, geralmente, contém cerca de 40mg/100mL de catequinas e 6mg/100mL de cafeína, dentre outros constituintes.
 
Entre uma variedade de efeitos benéficos do chá verde, grande atenção tem sido dada à redução da gordura corporal. Evidências sugerem que o extrato do chá verde contendo 25% de GEGC podem gerar saciedade e aumentar o catabolismo de gorduras. As doses de chá verde que surtem tais efeitos variam largamente, mas tipicamente ficam em torno de 3 copos por dia, equivalente, aproximadamente, a 240 a 320 mg de polifenóis. Além de suas aplicações na redução da gordura corporal, pesquisas atuais mostram tendências de seu uso para atenuação da hipertensão arterial e melhora do perfil lipídico sanguíneo (colesterol e LDL).
 
Tente fazer o uso do chá verde na forma tradicional, infusão. As cápsulas não são tão concentradas em polifenólicos. Além disso, não utilize chá verde após às 18h00, devido ao grande número de substâncias neuro ativas, que podem atrapalhar o sono.
 
Com o objetivo de obter redução de gordura corporal torna-se importante aliar o consumo do chá verde a um plano alimentar equilibrado, seguir orientações personalizadas de profissionais da área da nutrição, além da prática frequente de atividade física orientada por um educador físico, as quais são consideradas condutas favoráveis para acelerar o metabolismo energético.
 
Um grande abraço e até a próxima coluna aqui no site do corredor de rua!
 
*Colunista do VaiCorrendo.com, Renato Barbim é graduado em Nutrição e Metabolismo pela USP de Ribeirão Preto e especialista em Fisiologia do Exercício pela UFSCAR de São Carlos. Atua em consultório particular assessorando atletas amadores e de alto nível que buscam alimentação saudável. É Consultor da empresa New Nutrition Suplementos. CRN-3 38322 / Contato: (16) 3625-8325
 
 

(Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, o ponto de vista do VaiCorrendo.com)