Corridas longas e lentas ou curtas e rápidas para emagrecer?

16/10/2014 15:13
Prof. Aroldo Costa Neto*
 
Depois de 10 anos formado e atuando diariamente com a prática da Educação Física, essa é uma das maiores dúvidas entre os praticantes de corrida que fazem uso desta modalidade visando emagrecimento. E antecipo que a grande maioria ainda treina de maneira menos eficiente, principalmente por continuarem dando crédito ao “conhecimento popular”.
 
Utilizando a fisiologia do exercício para responder esta pergunta, quando o objetivo é reduzir o percentual de gordura corporal e a quantidade de gordura visceral a resposta é: corra menos e mais rápido, é mais eficiente. Mas calma, termine a leitura antes de realizar o seu próximo treinamento!
 
Em um estudo bem interessante conduzido por Irving e colaboradores (2008), verificaram o efeito de diferentes intensidades de treinamento de corrida sobre a gordura visceral abdominal e o percentual de gordura total em 27 mulheres com síndrome metabólica. Resumindo o estudo, foi realizado um teste incremental em esteira com coleta de lactado e as mulheres foram divididas em 3 grupos (GRUPO 1= não realizavam outras atividades além das rotineiras; GRUPO 2= 5 treinos por semana abaixo do limiar de lactato (utilizando as notas de 10 a 12 na escala de percepção de esforço, já discutida em nossa coluna) até atingirem 400Kcal de gasto; GRUPO 3= 3 treinos por semana acima do limiar de lactato (utilizando as notas acima de 14 da escala) até atingirem 400Kcal de gasto). Em média, o grupo 2 treinava uma hora 5x por semana enquanto o grupo 3 treinava 30 minutos 3x por semana. Consulte a matéria AQUI.

 
Os resultados deste estudo trouxeram dados muito animadores: o grupo 3 que treinou de maneira intensa somente 3x por semana, eliminou gordura visceral e reduziu o percentual de gordura enquanto os outros 2 grupos não perderam gordura de maneira significativa. A conclusão do estudo remete ao EPOC (traduzindo, o consumo excessivo de oxigênio pós treinamento) como justificativa. Na teoria, quanto maior a intensidade do exercício, maior o consumo de oxigênio pós treino (o que mantém o metabolismo mais acelerado), priorizando a utilização dos estoques de lipídios para restabelecimento do equilíbrio do organismo.
 
Prós e contras: os exercícios intensos aceleram mais o metabolismo potencializando os resultados quando o objetivo é reduzir gordura corporal, porém, colocam o nosso organismo mais próximo das lesões, ainda mais quando o corpo está com baixo nível de treinamento e com sobrepeso. Não é qualquer pessoa que pode começar a praticar este tipo de treinamento.
 
Sendo assim, para as pessoas que têm este objetivo, o ideal é procurar o acompanhamento profissional, passar pela bateria de testes médicos e a avaliação do profissional de educação física para, desta maneira, este prescrever a periodização ideal até chegar ao ponto de conseguirem treinar desta forma diminuindo o risco de lesões. Nunca se esqueçam de que a nutrição ideal é a melhor maneira de atingir os objetivos de redução de percentual de gordura associada à atividade física. Não adianta treinar direito e se alimentar de qualquer jeito.
 
Obrigado pela leitura! Forte abraço e até a semana que vem!
 
(IRVING, B. A; DAVIS, C. K; BROCK, D. W;  WELTMAN, J. Y; SWIFT, D; BARRETT, E. J; GAESSER, G. A; WELTMAN, A. Effect of exercise training intensity on abdominal visceral fat and body composition. Med Sci Sports Exerc. Nov, 2008.)
 
*Colunista do VaiCorrendo.com, Aroldo Costa Neto é fisioterapeuta e educador físico
na academia Studio F3 Corpo Inteligente, em Ribeirão Preto
CREFITO-3: 32.583 - F / CREF: 042.260 - G/SP