Mês das Mães: Filhas escrevem carta emocionante e retratam a felicidade da mãe nas corridas

24/05/2016 12:33
Foto: Marcos P. Tavares/VaiCorrendo.comDa reportagem/VaiCorrendo.com
 
Maio é sempre um mês especial. O mês das mães. Daquelas que lutam diariamente querendo o bom e o melhor para os filhos.
 
Elisa e Karla aproveitaram a data marcante para agradecer a mamãe Maria Dionise (foto, ao lado do marido Carlos Odilon Vetrano de Queiroz), enviando ao VaiCorrendo.com uma carta de muita emoção. O texto retrata os benefícios da corrida de rua na vida da mamãe. Confira na íntegra:
 
 
 
"Esta é uma mensagem em forma de agradecimento. Escrita pelas filhas de Maria Dionise Moraes Vercesi de Queiroz.
 
Dizemos que é um agradecimento porque só agora, depois de vários anos de dedicação à nós, nossa mãe pôde se destinar a algo que fosse inteiramente à ela e em benefício dela: a corrida de rua.
 
Foram anos cuidando de duas meninas, de um marido, de uma casa, e de alguns cachorros. Foram anos fazendo algo que ajudasse alguém a crescer, mas nunca exclusivamente para ela.
 
O tempo foi passando, sonhos e desejos foram deixados de lado. Isto porque tinha uma filha que queria algo e outra que iria viajar; um marido que precisa da farda limpa... Enfim, várias coisas que nunca 'só para ela'.
 
Não que isso seja desculpa para não se dedicar a um esporte, mas quando se tem essa responsabilidade, de cuidar de uma família, nada é tão simples.
 
Enfim, após 30 anos de dedicação à família, um marido aposentado, uma filha doutoranda em biologia e uma filha pós-graduanda em direito, eis que surge um tempo para as corridas de rua.
 
Escrevendo parece que é algo fácil, mas quando se tem uns quilos a mais e um pouco mais de idade, o preconceitos de muitos e, talvez o próprio preconceito, atrapalha.
 
E é difícil entender isso, não é mesmo?! Muitas pessoas acreditam que é “só correr” ou “simplesmente calçar um tênis”. Quando, na verdade, você precisa antes de mais nada preparar a mente para isso. Preparar a cabeça para eventuais dores, lesões e, principalmente, aprender a lidar com o tempo que se foi.
 
Por fim, talvez a história da nossa mãe, Maria Dionise, sirva para incentivar algumas pessoas que acreditam que o tempo passou ou que a corrida não pode ajudá-las.
 
Pensando no que a mamãe diz sobre corridas, deixamos esta frase para os que ainda têm alguma dúvida sobre este esporte tão democrático: 'a corrida, antes de ser um esporte, é um remédio para alma'”.
 
Elisa Vercesi de Queiroz
Karla Vercesi de Queiroz
(Filhas de Maria Dionise Moraes Vercesi de Queiroz)
 
 
Foto: Marcos P. Tavares/VaiCorrendo.com
© Proibida a reprodução em outras mídias.