O ouro da maratona que demorou 12 anos

09/08/2016 07:40

Começo essa postagem expondo que, dentre os esportistas brasileiros, para mim, o Vanderlei Cordeiro de Lima foi a melhor escolha para acender a pira olímpica dos Jogos Rio-2016.
 
Antes de falar da histórica cerimônia de abertura no estádio do Maracanã, que foi selada com o Vanderlei tendo a honraria de acender a pira, temos que voltar em 2004.
 
Há 12 anos, Vanderlei já era um maratonista consagrado, tendo vencido importantes maratonas (ganhou em Tóquio e foi ouro na maratona dos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg-1999), mas faltava-lhe o ouro olímpico. E, em Atenas-2004, ele estava perto deste feito.
 
Faltavam apenas 7 km e Vanderlei seguia firme na liderança da Maratona Olímpica daqueles jogos. Entretanto, no 35º Km, ele foi atrapalhado pelo ex-padre irlandês Cornelius Horan, que adentrou na pista e empurrou o brasileiro, comprometendo totalmente a brilhante prova em que realizava. Mas ele foi guerreiro e continuou correndo. Infelizmente foi ultrapassado por dois corredores e terminou a Maratona no honroso terceiro lugar com o seu tradicional aviãozinho, se tornando o primeiro brasileiro medalhista olímpico em maratonas, mesmo após o ocorrido.
 
Feita a contextualização, voltamos para a Rio-2016. Em todos os Jogos Olímpicos uma das grandes expectativas é por quem vai ascender a pira olímpica. Aqui no Brasil não foi diferente e como escrevi no início, o Vanderlei Cordeiro de Lima, por tudo que ele simboliza no esporte, foi a melhor escolha.
 
Nós, corredores, devemos ficar ainda mais honrados com a escolha do Vanderlei, já que, além de brasileiro, ele é um de nós, um corredor! Após a cerimônia, o próprio Vanderlei mencionou que aquela medalha de ouro que seria dele em Atenas-2004 foi "recebida" na Rio-2016.
 
Obrigado, Vanderlei Cordeiro de Lima.
 
 
PS: Abaixo, os vídeos dos dois momentos distintos. Em Atenas-2004 e Rio-2016.