Ovo: com ou sem gema?

26/10/2016 13:38

Nutricionista Isabelle Mastelaro*

 
Há certo tempo o ovo teve os holofotes virados só para ele. Uma guerra entre “mocinho” e “vilão”, dentro do mesmo alimento. De um lado a clara, protéica e inocente. De outro a gema, até então considerada inimiga. O que poucos sabem é que a gema do ovo contém aproximadamente 50% de ômega 9, ácido graxo monoinsaturado também encontrado no azeite de oliva. O restante consiste
em gorduras saturadas e poli-insaturadas (ômega 6 e um pouco de ômega 3). A gema possui ainda carotenoides (luteína e zeaxantina), dois compostos que estão relacionados com a saúde dos olhos.
 
Mas e o colesterol? Embasado em evidências científicas, tem-se visto que a relação entre o consumo de gema de ovos e aumento dos níveis de colesterol perdeu sua força. A gema realmente possui colesterol, mas sabe-se que a ingestão total de gorduras saturadas será muito mais significativa para o aumento dos níveis plasmáticos de colesterol do que o consumo do próprio colesterol.
 
Além disso, tudo dependerá de outros fatores presentes na alimentação e no estilo de vida do paciente, inclusive sua predisposição genética. Em geral, as publicações recentes não têm encontrado relação direta entre o consumo de gemas de ovos e aumento do risco de doenças cardiovasculares, mesmo em se tratando de pacientes com dislipidemias (colesterol LDL alto, HDL baixo, elevado valor de triglicérides).
 
Ou seja, gorduras saturadas advindas de produtos industrializados, alimentos fritos, e afins tem maior impacto nos níveis de colesterol, e muitas vezes são deixados de lado, apontando apenas um culpado, quando na verdade é necessária uma “revisão” da alimentação como um todo. Como sempre falamos de INDIVÍDUOS, na elaboração de um programa alimentar, devemos ajustar individualmente as proporções entre carboidratos, proteínas e lipídios. Isso vai depender da necessidade e dos objetivos de cada um.
 
Um ovo inteiro possui aproximadamente seis gramas de proteínas e seis gramas de gorduras, sendo que toda essa gordura está concentrada na gema. A clara possui três gramas de proteínas, mas apenas traços de gorduras. Portanto, se a intenção é uma refeição com menor teor de gorduras, algumas gemas poderão ser retiradas. Ao passo que se a intenção for uma refeição com maior teor de gorduras, as gemas serão muito bem-vindas. Mais uma vez, a resposta será: depende da situação. Sempre procure auxílio de um nutricionista para saber qual situação se enquadra melhor a sua realidade.
 
Corredor informado se alimenta melhor e aumenta ainda mais seus rendimentos de treinos! Vamos juntos nessa? Um grande abraço e até a próxima coluna aqui no site do corredor de rua!
 
*Colunista do VaiCorrendo.com, Isabelle Mastelaro é graduada pela Universidade de São Paulo (USP) e atua em consultório particular com ênfase em emagrecimento e reeducação alimentar. Atendimento individualizado e em grupo. CRN-3 46886 / Contato: (16) 3624-5343
 
 

(Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, o ponto de vista do VaiCorrendo.com)