Recalculando o pace!

28/10/2017 16:47

Tiago Tibério*
 
Na vida geralmente temos que reavaliar e/ou recalcular algumas metas. Em uma prova de corrida de rua isso também é bem corriqueiro, e comigo já aconteceu algumas vezes. Usarei a Meia Maratona de Uberaba como plano de fundo para o tema que vamos tratar aqui.
 
Ano passado fui participar da 1ª Edição da Meia Maratona de Uberaba. Na época eu projetava terminar a prova para algo em torno de 1h52min, o que seria uma das minhas melhores marcas para os 21 km, até aquele momento.
 
Ocorre que chegando à cidade mineira, após pegar o kit e passar por algumas ruas (ladeiras) por onde iria correr no dia seguinte, já percebi que não seria fácil cumprir o plano de completar a prova para 1h52min, entretanto, seguia confiante. Para agravar as dificuldades, no dia da prova, um forte calor, desde as primeiras horas do dia, já podia ser sentido pelos corredores. Mas foi quando corri os primeiros 5 km que senti que além de não conseguir completar a prova na meta estabelecida, seria difícil até completar o desafio. A temperatura estava acima dos 30°C e o percurso era bem difícil.
 
Foi aí que tive que recalcular a minha meta e, consequentemente, o pace. Tive que "tirar o pé”" senão nem conseguiria completar a prova. Esqueci o relógio e fui correndo por correr, quando no km 15 voltei a olhar para o relógio e estabeleci uma nova meta, que era fazer pelo menos sub 2h. E deu certo, no limite, completei a prova em 1h59min.
 
Essa prova ficou engasgada e resolvi voltar neste ano.
 
No último sábado (21), novamente rumamos para Uberaba e, chegando lá, novamente a previsão do tempo não era nada animadora. Fazia um forte calor e eu já fiquei bem desanimado e pensei: "Vai ser tudo igual". Só que não foi.
 
Depois de muitos pedidos a São Pedro, choveu a noite toda. Acordei por volta das 5h30 e ainda chovia, parando somente minutos antes do tiro de largada, ou seja, clima perfeito para correr. 
 
Ocorre que o percurso ainda continuava a ser desafiador, e fazer bons tempos em provas com muitas subidas é bem complicado. Mas tem dia, que é o DIA.
 
Diferentemente do ano passado, depois de correr os primeiros 5 km, eu estava muito bem e com pace conservador, foi aí que recalculei a meta, mas dessa vez, para melhor, ou seja, aumentei o ritmo, passando os 10 km para menos de 50min. Faltando alguns quilômetros, percebi que  conseguiria bater meu recorde pessoal na distância, que era de 1h49min, mas eu ainda estava bem fisicamente  e continuei aumentando o ritmo, tentando além do recorde pessoal, fechar a prova para 1h45min, e deu certo. 
 
Como dito no início, usei a Meia Maratona de Uberaba para ilustrar que temos que ser inteligentes no sentido de sentir o corpo e analisar várias circunstâncias que podem interferir em uma meta para determinada corrida. Vários fatores podem acontecer e pode ser necessário você recalcular seu pace para mais ou para menos. Respeite seu corpo, o clima e o percurso. Tem dias que você não conseguirá fazer recordes, mas isso é um mero detalhe, o importante é o prazer de correr.
 
 
*Tiago Tibério é bacharel em Direito, pós-graduado em processo civil pela USP. Corredor amador desde 2008, é sócio-diretor do VaiCorrendo.com e atua como advogado no escritório Abu Jamra e Tibério advogados..
 
 

(Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, o ponto de vista do VaiCorrendo.com)