Sem 'mimimi'! Casal de Ribeirão completa prova no Atacama, o deserto mais seco do mundo

16/11/2016 10:08
Foto: Arquivo pessoal
R. Gonça/VaiCorrendo.com
 
No Norte do Chile, a 2.440 metros acima do nível do mar, está o Deserto do Atacama. De clima extremamente seco e um dos desertos mais altos do mundo, estaria ali o desafio mais complexo e extremo para quem está acostumado a praticar corrida. Correr no deserto? Sem sombra, sem árvores, com um calor escaldante? Loucura? Não para os atletas Luciano Luiz Finco e Carolina da Costa Ziviani, de Ribeirão Preto, no interior paulista. O casal aceitou o desafio, se preparou, e completou a quarta edição da "Mountain Do - Deserto do Atacama", no último domingo (13).
 
A largada foi às 7h20 (horário local). Luciano, de 41 anos, optou por correr a maratona e completou os 42 km no Deserto do Atacama, em San Pedro de Atacama, com o tempo de 6h58min52s. Carolina, de 36 anos, por sua vez, desafiou o percurso de 23 km e concluiu a prova em 3h48min28s.
 
"É uma experiência totalmente diferente de tudo que a gente já tinha passado nas corridas de rua. Foi a nossa primeira prova de aventura. A gente só havia feito uma meia maratona rústica em Poços de Caldas", contou Carolina, elogiando o desafio. "Essa corrida [no Deserto do Atacama] é fantástica. É você contra a natureza, contra o deserto. Metade da prova é muito difícil e o sol é muito forte. Com o vento, você não percebe que sua pele está queimando. É preciso passar muito protetor solar".
 
Foto: Arquivo pessoal
Diante de tantas dificuldades, o tempo da prova é o que menos importa. "Não dá para pensar em tempo. O terreno é arenoso. Tem lugar que a areia é muito fofa e não tem como correr. Você tem que caminhar e escalar dunas, sendo que uma delas é a mais tenebrosa, íngreme. A areia entra no tênis, cheguei a cair na areia", completa Carolina, que promete voltar. "Quero fazer de novo, dessa vez os 42 km. Neste ano eu fiz os 23 km por conta do joelho, estava me recuperando de lesão."
 
O campeão da maratona foi Anderson Rodrigo Rogenski, com o tempo de 3h18min02s. Já nos 23 km, a primeira colocação ficou com Evelyn Duran Retarnal: 2h19min22s. Também houve disputa no masculino e feminino em ambas as provas além de uma corrida comemorativa de 6 km. A inscrição para a maratona custou entre R$ 988 e R$ 1.188, dependendo do lote.
 
A prova
A Mountain Do - Deserto do Atacama é organizada pela empresa brasileira Sports Do. A prova reúne atletas de todos os Estados do Brasil, além de estrangeiros e também do público chileno. Cerca de 450 corredores se inscreveram para a quarta edição, no último domingo (13).
 
Com largada na praça central de San Pedro do Atacama, a prova seguiu por um trajeto com dunas, trilhas e estradas da região desértica chilena. Subidas e mais subidas. Os participantes tiveram postos de hidratação e alimentação ao longo do percurso, além de equipe médica, tenda de frutas e área de massagens.
 
O kit de prova foi composto de camiseta com tecido tecnológico, mochila, boné, cinto de hidratação, bandana, toalha e medalhão de participação.
 
 
*O VaiCorrendo.com não se responsabiliza por erros de nomes, colocações, tempos e equipes divulgados oficialmente pelas empresas de cronometragem.
Fotos: Arquivo pessoal

© Proibida a reprodução em outras mídias.
 
 
O campeão da maratona foi Anderson Rodrigo Rogenski, com o tempo de 3h18min02s. Já nos 23 km, a primeira colocação ficou com Evelyn Duran Retarnal: 2h19min22s. Também houve disputa no masculino e feminino em ambas as provas além de uma corrida comemorativa de 6 km. A inscrição para a maratona custou entre R$ 988 e R$ 1.188, dependendo do lote.