Quer treinar de maneira mais eficiente? O teste de lactato pode ser uma boa ferramenta!

22/08/2014 17:34
Prof. Aroldo Costa Neto*
 
Já discutimos algumas vezes sobre a melhora do desempenho no treinamento de corrida nas colunas passadas do Fala Professor! Argumentamos sobre testes incrementais, limiares, tipos de treinamento, percepção de esforço e como cada uma destas ferramentas pode auxiliar no incremento da velocidade de corrida e na melhora do condicionamento cardiorrespiratório.
 
Hoje vamos discutir sobre um dos testes laboratoriais que pode ser uma excelente ferramenta para identificar o seu condicionamento atual e ser ponto de partida para a prescrição do seu treinamento, com as velocidades corretas de corrida para atingir diferentes objetivos (redução do peso, melhora do condicionamento, melhora do desempenho em provas...).
 
O teste de “Limiar de Lactato”, similar ao termo “limiar anaeróbio” (descrito na literatura pelo ponto onde o metabolismo predominantemente oxidativo – advindo do O2 – é superado pelo metabolismo predominantemente glicolítico – advindo da glicose – gerando acúmulo de lactato no sangue), é um dos melhores testes laboratoriais para “prescrição de cargas individualizadas de treino, determinação dos efeitos de treinamento e predição da performance em provas de predomínio aeróbio”, como a corrida (DENADAI, 2004)
 
O lactato é um produto final da glicólise anaeróbica que ocorre principalmente em tecidos hipóxicos, ou seja, quando nossas células não conseguem utilizar o oxigênio obtido pela respiração de maneira eficiente para produzir energia para os músculos. 
 
A produção normal de lactato no ser humano em repouso é de 1 mmol/Kg/hora e quando ultrapassa o valor de 4,0 mmol/Kg/hora (média) durante o exercício, considera-se o limiar anaeróbio ou limiar de lactato. O organismo de um indivíduo bem condicionado consegue manter os valores de lactato abaixo do limiar por mais tempo e em intensidades maiores, o que sugere que conhecer o seu atual limiar de lactato seja importante para delinear o seu treinamento e verificar a sua evolução.
 
Existem vários testes que propõem a padronização das avaliações da concentração de lactato sanguíneo, mas esta padronização de um único protocolo não é viável devido à variabilidade dos esportes e os estímulos pelos quais os praticantes são submetidos. Resumindo, quão mais específico o teste para a modalidade, maior fidedignidade dos resultados.
 
No caso da corrida, os testes incrementais em esteira ou em campo tem uma excelente reprodutibilidade, pois a avaliação é realizada exatamente com o mesmo gesto motor (correr) e para exatamente a mesma atividade. É diferente quanto se aplica um teste progressivo em esteira ergométrica para um jogador de futebol por exemplo, que não corre do mesmo modo no jogo. Neste caso seria mais interessante algum teste que tenha mudanças de direção no seu protocolo, aproximando-se mais das características do futebol.
 
A imagem mostra a coleta realizada durante um teste incremental em esteira com análise da concentração de lactato sanguíneo que teve 24 minutos de duração, onde o limiar de lactato encontra-se no estepe 6. Com este dado o profissional de educação física que acompanha o treinamento pode prescrever diferentes tipos de treinamento para aumentar a resistência do organismo contra a acidose, prorrogando o limiar, o que indica melhora do condicionamento.
 
 
Concentrações de lactato tendem a ser menores quando se consegue suportar o esforço por um maior tempo, por isso podem ser utilizadas como índices para avaliar a capacidade cardiorrespiratória e, normalmente relacionam-se com o VO2máx. 
 
Em breve a equipe do Vaicorrendo.com divulgará uma promoção que dará direito a um seguidor de realizar um teste incremental com coleta de lactato. Não deixe de nos acompanhar!
 
Obrigado pela leitura! Excelente semana!
 
Forte abraço!
 
(DENADAI, B. S. ; HIGINO WP . Effect of the passive recovery period on the lactate minimum speed in sprinters and endurance runners. Journal of science and medicine in sport / Sports Medicine ustralia, v. 7, n. 4, p. 489-497, 2004.).
 
*Colunista do VaiCorrendo.com, Aroldo Costa Neto é fisioterapeuta e educador físico
na academia Studio F3 Corpo Inteligente, em Ribeirão Preto
CREFITO-3: 32.583 - F / CREF: 042.260 - G/SP