Vício do bem! Arilson trocou as drogas pelas ultramaratonas e se transformou no 'Ariman'

24/06/2017 21:21
Foto: Marcos P. Tavares/DivulgaçãoRafael Gonçalves/VaiCorrendo.com
 
"Foram 30 anos da minha vida no meio das drogas. Eu era um caso perdido". O passado sombrio de Arilson Silva hoje lhe serve de motivação para seguir em frente no saudável mundo das corridas de rua. Se um dia já foi viciado em maconha, cocaína e crack, além das bebidas, hoje Arilson contempla o vício do bem muito além de provas de 5 km ou 10 km. Aos 47 anos, ele é ultramaratonista e está prestes a estabelecer o recorde brasileiro de corrida em pista de 400 metros. Serão 72 horas aferidas pelo RankBrasil Recordes Brasileiros.
 
"Entre 17 e 20 de agosto, no Ginásio Municipal de Esportes de Brodowski [região de Ribeirão Preto-SP], vou colocar o máximo de quilometragem possível para estabelecer, quem sabe até, um recorde mundial. A corrida é minha vida. Um dia de cada vez, sigo com o meu 'remédio'. Não sou atleta de velocidade, tenho mais resistência", contou o esportista natural de Altinópolis e que mora em Brodowski.
 
Arilson prefere ser chamado de Ariman, apelido que ganhou dos amigos no "mundo running" por ter implantado na perna esquerda uma haste de titânio de 40cm em virtude de um queda que sofreu durante um trabalho em um andaime.
 
"Tive fratura múltipla de fêmur e, quando recuperado, essa lesão me limitava muito. Mas a perna esquerda ficou muito forte com esse titânio, é ela quem me sustenta", disse o ultramatonista, revelando ao VaiCorrendo.com que por três vezes ficou internado lutando contra as drogas. "Foram três internações em casas de recuperação no combate contra a maconha, o crack e até o alcoolismo". Mas tudo mudou! Ariman virou atleta há um ano e meio.
 
"Foi no dia 17 de janeiro de 2016 que resolvi mudar de vida. Comecei fazendo caminhadas porque eu mancava muito. Depois comecei a correr bem devagar. Passei a treinar todos os dias para me livrar das vontades de usar drogas e descobri que tinha resistência para longas distâncias", relembrou Ariman, demonstrando emoção durante a entrevista.
 

Foto: Rafael Gonçalves/VaiCorrendo.com

Logo de cara, 100 km!
A primeira prova de Ariman como atleta em sua transformação já contou com percurso de 100 km na tradicional 100K Trail Run de Franca a Rifaina.
 
"Foi em julho de 2016. Fiquei em quinto lugar com o tempo de 14 horas. Depois vi uma prova de 24 horas em Campinas, no mês seguinte; fui o segundo colocado percorrendo 166 quilômetros". E teve mais: em novembro, Ariman encarou uma disputa internacional de 48h em Passa Quatro-MG ficando em terceiro lugar com 320,4 km. "Em 18 meses, entre treinos e competições, corri 14,6 mil quilômetros e agora vou partir para o desafio em pista de atletismo de 400 metros", emendou.
 
Ajuda às crianças
Arilson Silva, o Ariman, curte a nova vida - longe das drogas e do álcool - auxiliando jovens estudantes de Brodowski no projeto social "Iluminando Vidas".
 
"De segunda, quarta e sexta-feira reservo duas horas da minha tarde para dar aulas de corrida, futebol e basquete. Sou voluntário em um projeto muito legal destinado para os alunos que estudam pela manhã e ficam livres à tarde. Falo para os mais velhos sobre alcoolismo e drogas. Vou para ensinar, mas acabo aprendendo muito. Quando a gente faz o bem, parece que tudo volta em dobro."
 
Ariman, que convida e pede o apoio dos corredores em seu desafio de 72h em pista, avisa: "se eu consegui, se eu superei, qualquer pessoa pode conseguir". O evento tem apoio da Prefeitura Municipal de Brodowski, realização da Matheus Equilíbrio e divulgação do portal VaiCorrendo.com.
 
 
 
Fotos: Marcos P. Tavares/Divulgação e Rafael Gonçalves/VaiCorrendo.com
© Proibida a reprodução em outras mídias.