O que acontece em cada zona de treinamento? #29

16/08/2019 08:36
Por Bruno Andrade*
 
Fala, corredor! Se você treina com alguma orientação já deve ter percebido que os treinos de corrida podem variar (e muito!) de acordo com a intensidade da execução. E é justamente o controle da intensidade, somado ao volume do treinamento, que abre um leque gigante de possibilidade. Essa variação dos estímulos é o principal fator para gerar as adaptações fisiológias necessárias para uma boa evolução.
 
Na coluna Corre Comigo "Descubra como são definidas as zonas de treinamento!" já descrevi como é feito a aferição dos limiares do treinamento em função dos teste de VO2. Este assunto é de seu interesse, não deixe de ler!
 
Vamos entender o que acontece no corpo em cada zona de treinamento?
 
• Zona 1 e 2: Estas intensidades se encaixam no Sistema Aeróbio, e isso quer dizer que para a produção de energia nosso corpo consegue utilizar principalmente o oxigênio (O²) e gordura. Apesar de um ser um sistema complexo que utiliza várias reações químicas para a manutenção do exercício, ele tem um potencial enorme de geração. Esta zona geralmente ocorre em estímulos abaixo de 70% zona 1 e entre 70% e 80% do VO²max a zona 2.
 
• Zona 3: Aqui entra em ação o Sistema Aeróbio Lático. Quando vamos aumentando a intensidade do exercício para conseguirmos manter o ritmo, o sistema aerórbio, pelo fato de ter uma produção de energia que precisa de muitas etapas, acaba untilizando um mecanismo energético mais simples, que usa de uma fonte de energia com uma disponibilidade relativamente grande, e com um menor tempo de reação, a glicose. A quebra da glicose gera um sub-prodruto chamado ácido lático, que precisa ser removido. Seu acúmulo gera dor e é limitante ao exercício físico. No entranto, nesta fase, sua remoção se dá de forma produtiva, durante mais ou menos 20 minutos, tempo em que se consegue treinar utilizando-se deste sistema para manter o esforço do exercício entre 80% e 90% do VO² max.
 
• Zonas 4 e 5: Estas zonas de treinamento exigem muito do nosso organismo por ser muito intenso o esforço. São nelas que são executados os tiros e corridas fortes. Neste momento o nosso corpo já não consegue fazer a remoção do ácido latico como deveria e fatalmente ele vai se acumular fazendo com que o exercício seja interrompido em algum momento. Estas zonas se utilizam do esforço acima do limiar do lactato, quando o ácido lático não consegue mais ser removido. E isso ocorre entre 90% e 100% do VO²max. Mas ainda é possivel que seja realizados esforços acima do VO² max e, nesse momento, uma outra fonte de energia pode ser tulizada, a creatina fosfato. Ela tem a biodisponibilidade mais acessivel possível por já se encontrar no músculo e na forma correta para produzir uma contração muscular. O único problema é que o tempo que ela consegue gerar de esforço é muito pequeno, não costumando passar de 2 minutos. Esse sistema é chamado de anaeróbio, pois não utiliza o oxigênio para produção de energia.
 
Agora que já sabemos como são definidas e o que acontece em cada zona de treinamento, é importante observar que para uma boa evolução precisamos trabalhar todas as zonas de treinamento e desenvolver os sistemas envolvidos em cada uma delas. Do tiro aos longão todos são importantes.
 
Tem dúvidas? Me envie um direct no Instagram do Corre Comigo Assessoria Esportiva. Abraços e até a próxima aqui no VaiCorrendo.com, o site do corredor de rua!
 
*Colunista do VaiCorrendo.com, Bruno Andrade é Profissional de Educação Física (Cref 082452-G/SP), personal trainer, especialista em Fisiologia do Exercício, Treinamento Esportivo e Emagrecimento pela UFSCar, e proprietário da Corre Comigo Assessoria Esportiva.
 
(Os textos, informações e opiniões publicadas nesse espaço são de total responsabilidade do autor. Logo, não correspondem, necessariamente, o ponto de vista do VaiCorrendo.com)